28.12.11

Tempos raros

São sempre tempos raros.
São momentos roubados ao tempo!
A Nana vem uma vez por ano nos mais de dez anos que existe na minha vida.
São raras as vezes em que conseguimos tê-la aqui mais do que duas semanas, sempre ocupadas e cheias.

O jantar de anos é obrigatório. É a ponte para o Natal, é o início das minhas festividades.

Os tempos em jantares, com todos os amigos não dão para nós... para conversas contidas que as cartas (sim, as cartas porque nos escrevemos de facto), não bastam.

Por isso ontem, recebê-la já tarde em casa, para um chá, foi recuperar parte do que temos e que se constrói a cada ano. Os tempos mágicos vividos e o que virá, enchem um mundo de tópicos possíveis.

Precisava do desabafo, da partilha, de nos sentir "nós" outra vez.

E ela é o que sempre foi, sempre presente apesar de morar do outro lado do mundo.

Tenho um orgulho desmedido dela e do que sempre me dá em optimismo e força.

E tenho saudades dela todos os dias quando não está.

Tempos raros com sabor agri-doce...

21.12.11

Está a custar-me não estares cá.
Não saber nada de ti.
Precisava mesmo que me entrasses pela porta com uma garrafa de cartuxa e ocupasses o sofá e me obrigasses a desabafar.

Custa-me não saber de ti, não saber se chegas para o Natal. Quero acreditar que sim. Quero acreditar que no máximo daqui a dois dias recebo uma chamada a dizer:  "Bu, cheguei! Como queres fazer? Em tua casa ou na minha?"

Preciso de deitar fora... palavras e não esta tosse.

Preciso de um tempo longe do mundo e que me digas que não é nada, que vai passar, que eu já sei como é, que não importa, que tenho de perdoar, que não entende... tudo coisas que me dizem, mas que ditas por ti são mais credíveis e eu nunca entendi porquê...

Poucas vezes supliquei que voltasses, mas desta vez suplico mesmo, porque a minha vontade é enfiar-me daqui a duas horas num avião para longe daqui...

18.12.11

Questão urgente...

A menos de uma semana do Natal e ainda não fiz a árvore e nem sequer montei o presépio....

16.12.11

Em tom de "fim"


Aprende-se a viver com isto. 

Como uma falta de habilidade para o desenho ou para a ginástica desportiva.
Como com uma doença tipo diabetes, um nariz grande demais, um rabo inexistente…
Como a falta de magnésio, acne ou asma.
Aprendemos a viver com isto e  a não pensar no inicio, nem nos porquês da perfeição. A desvalorizar os e-mails, as datas, os locais… A não ligar nenhuma ao cheiro e ao sabor… Aos bonecos nas nuvens e às estrelas no céu.

(bastou um olhar para confirmar…)

Começa-se a achar normal que o telefone não toque e que as notícias não cheguem, nem por e-mail.

A vida segue como sempre seguiu… independe “disto”

Aprende-se a viver com isto... com/sem o teu cheiro e o teu toque colados na minha pele. sem eu ter por onde fugir, ...

Mas aprende-se… aprende-se!

14.12.11

Se eu podia ter uma sobrinha com menos personalidade?


... Poder podia, mas não era de todo a mesma coisa!

(de referir que isto é um post-it colado na porta do quarto dela - 8 anos de personalidade concentrada!)

8.12.11

8-12

Dia 8 de Dezembro é dia da N. Senhora da Imaculada Conceição.

Não sei explicar o fascínio que sempre teve em mim este dia.

Desde pequena que me lembro da missa com a avó. Era o dia em que a avó'zinha fazia a árvore de Natal e em que o avô lhe dava um presente, porque era o dia da Mãe.

Independentemente do dia ter mudado no calendário, para o avô, este sempre foi o dia das mães.

Gosto da imagem da mãe... Da Mãe... Gosto que este dia seja no Advento.

O Advento e a Quaresma são momentos essenciais no meu ano. O Advento é a preparação para a chegada, para receber... mas na preparação da vinda de Cristo, há uma preparação nossa, dentro... Ninguém pode dar se não estiver "limpo"... e é isso o Advento... e é por isso que hoje, sempre que se celebra o dia da Mãe, me comovo na missa, porque Ela foi preparada...e como mãe de Jesus, é um exemplo de Força, de Coragem e de Fé...


No Domingo passado na homilia o padre focou duas palavras importantes: Vigiai e Reparai... Num exercício que parece simples, que é o de Vigiarmos acções e pensamentos. Nossos e dos outros... Depois da análise, repararmos, consertarmos, o que for possível de ser reparado... aprendermos e perdoarmos... a nós e aos outros...

Isso é o que nos é pedido no Advento... Possamos nós, pequenos mas tão importantes, fazer esta preparação honesta, dentro do coração, com a ajuda da Mãe Maria!

Feliz dia das (M)mães!


5.12.11

o tempo diferente

Falar pelo Skype de madrugada vai-nos sempre permitindo ter momentos perdidos.
As coisas não fazem propriamente sentido quando metade da tua vida diária já foi e a minha ainda não começou.

Quando a forma como me prendo no que contas é mais intensa no momento em que te ris.. e depois ficas sério.. e depois o discurso pára porque vais enviar uma fotografia, um texto, uma música que vai ilustrar o que acabaste de dizer.

Sabes que a vida de quem fica não suspende só porque não estás... mas perde toda a magia perante a tua... tudo o que te quero contar deixa de ter importância e passa automaticamente para outro tempo, num futuro que talvez venha a acontecer.

Mas a vida aqui continua... e tudo muda... e queria que soubesses que mesmo que não to diga, é assim... uma imensidão de coisas a invadirem a minha pacata vida...

- "E tu Joaninha, novidades?"
- "Nada... tudo bem, tudo na mesma..."

4.12.11




A mãe tinha um relatório anual para fazer e precisava de silêncio... óptimo momento para eu agarrar na afilhada e passar a tarde no parque.

Fizemos um bolo na caixa da areia e "pusemos as mãos na fotografia para dizer que era nosso"; andámos nos baloiços e tinha de a empurrar com força porque queria "chegar ao céu e às estrelas"... ri-me até me cairem as lágrimas com as graças espontâneas que tem.

Tenho saudades dela todos os dias quando não a vejo... das gargalhadas que dá e da forma como diz "tia Joaninha (que voa)"...

Quando estamos estou 100% com ela... ocupa-me cada segundo do pensamento. Acaba-se o stress do trabalho, do que vem, do que foi, do que será, se será...

Passo para o mundo que a Maria vê... patos de borracha gigantes que se atravessam à frente do nosso barco, uma fada que com as asas voa às estrelas, que temos pés que não sentem o chão...

Sentamo-nos a lanchar enquanto cantamos músicas (sim... aqui não penso sequer que desafino!)...

Prolongo sempre o regresso a casa com o banho, dar o jantar e a ida para a cama... gosto quando me dá a mão e se encosta a mim a ver os desenhos animados... da forma séria como pergunta o que é que eu acho de uma ou outra cena...

Adoro a nossa cumplicidade...

Gosto essencialmente de ser ela, eu e um mundo nosso... e de o tempo parar e de nada mais importar...

1.12.11

17.11.11

Ontem lembrei-me...

É dos meus quadros preferidos... é o encaixe perfeito do abraço. O abraço é a mais perfeita das manifestações de carinho, porque pode ser tudo... O Mundo cabe num abraço, o Universo,... E o que compreende o abraço? Compreende tudo... enche tudo, preenche tudo...

Este quadro lembra-me alguns dos momentos perfeitos.

E hoje, e ontem e amanhã e provavelmente depois e depois e depois, vou precisar de perfeição...

16.11.11

Para a Catch... Pelos dias dificeis...


deixa o tempo fazer o resto
fechar as janelas
aplacar os barcos
recolher os víveres
semear a sorte
acender o fogo
esperar a ceia

abre as portas: lê a luz
a sombra, a arte do passarinheiro

com três paus
fazes uma canoa
com quatro tens um verso,
deixa o tempo fazer o resto.
Ana Paula Inácio

(Para mim... para os fáceis e os dificeis...)

Montanha

Desde Abril que comecei a subir uma montanha.

Não lhe vejo o cume e tanto faz se é o Evarest ou a Serra da Estrela... para a imagem é totalmente indiferente.

Há muito tempo que não começava nada... muito menos uma escalada, caminhada,...

Já tinha subido um bocado e em Setembro dei uma queda aparatosa... Há cerca de um mês recomecei a subir, a escalar...

Não gosto de andar sozinha, de não encontrar ninguém ao longo do caminho.

Está frio. Muito frio.

O ar começou a faltar-me e nesse instante, como se fosse magia, apareceu uma botija de Oxigénio. Uma botija fantástica, quase perfeita. Mas que não é minha.

Devo ter uns pulmões demasiado pequenos para aguentar tanto ar...

Passaram seis meses. 

E está frio... está muito frio.

Era isto.


30.10.11

Ausência...
Não é bem a vida a parar, porque não pára.
Rever o tempo que escorre erguer a cabeça e seguir.
A afilhada fez quatro anos, a sobrinha oito.
Nasceu o G..
Entrou a Ella na minha vida...
Estou a tentar não andar em busca de porquês...

Dói, mas dói menos... ainda parece irreal, mas talvez menos...
E a vida não pára...

6.10.11

Steve Jobs.. o Sr. da Maçã...




“O teu tempo é limitado, por isso não o gastes a viver a vida de outra pessoa. Não caias na armadilha do dogma, que é viver de acordo com os resultados do pensamento de outras pessoas. Não deixes que o barulho criado pela opinião dos outros silencie a tua voz interior. E, acima de tudo, tem a coragem de seguir o teu coração, a tua intuição. Por uma razão qualquer, eles já sabem o que tu queres ser. Tudo o resto é secundário" - Steve Jobs
"You can't connect the dots looking forward - you can only connect them looking backwards. So you have to trust that the dots will somehow connect in your future. You have to trust in something; your gut, destiny, life, karma, whatever. Because believing that the dots will connect down the road will give you the confidence to follow your heart (...). You've got to find what you love" "- Steve Jobs
 Perdeu-se um visionário... o Mundo ficou mais pobre!

16.9.11

A ti...

Ando há quinze dias a tentar despedir-me de ti.
Soube há quinze dias que tinhas partido.
O momento do telefonema da Mariana a chorar não me sai da cabeça. Sabes, disse imensas vezes que não podias ser tu. Tinha de haver algum engano... "Qual Gonçalo???"... "o teu Jana"... "o meu? Não... é outro, disseram-te mal, não pode ser o Gonçalo"...e ela chorava... e a determinada altura acho que lhe disse que sim, só porque precisava de desligar o telefone.
Estava no Algarve a trabalhar... sei que fiz o que tinha a fazer em menos de 2h e vim para cima... no processo ligavam-me porque achavam que ainda não sabia, ou porque precisavam de confirmar... O Zé de Angola que me disse de imediato que já tinha voo para o dia seguinte, a Catarina... ai...
Não me lembro da viagem para cima. Não me lembro de ter chegado, só quando a Mariana me abriu a porta de casa.

Chorei e deixei de chorar... não dormi...

Trabalhei de manhã e felizmente o Zé chegou porque senão tinha sido indiscutivelmente mais difícil. Fui buscá-lo, almoçámos e tentámos não falar em ti, porque faltava vivermos tudo ainda.

Fomos um do outro uma altura das nossas vidas. A história começou num paraíso. Ditaste os nossos tempos todos, até que um dia assumi eu o comando, pus os pés à parede e acabou-se... mas amei-te muito e tu sabes que sim.

Sei que ficaste com uma mágoa grande. Um ano sem me falares... até que quebrámos o gelo.

Uma semana e meia antes de ires embora tive um impulso de te convidar para café. Conheci a tua casa nova, vi as fotografias e os filmes do casamento do teu irmão... Não chegaste a conhecer a minha casa, não cheguei a dizer-te tanta coisa...

Um mundo de coisas que não te disse e um universo do que ainda não te consigo dizer...

Rever os teus pais, os teus tios, irmão, amigos... as nossas pessoas... não é suposto... a lógica não pode ser deste mundo, porque se fosse eu entendia.

A lógica é outra, o propósito é outro... e ainda não consigo parar de pensar no porquê... e não deve haver... e se aqui estivesses ías dizer-me isso mesmo, entre um abraço e uma festinha na cabeça: "pára de perguntar. Que mania de teres de entender tudo, há coisas que não se controlam, pronto! Vai viver..."

Como a oração de Sto. Agostinho de que tanto gostavas...

"A morte não é nada. Apenas passei ao outro mundo.
Eu sou eu. Tu és tu. O que fomos um para o outro ainda somos.Dá-me o nome que sempre deste. Fala-me como sempre me falaste.Não mudes o tom a um triste ou solene.
Continua rindo com aquilo que nos fazia rir juntos.Reza, sorri, pensa em mim, reza comigo.
Que o meu nome se pronuncie em casa como sempre se pronunciou.Sem nenhuma ênfase, sem rosto de sombra.
A vida continua significando o que significou:Continua sendo o que era.
O cordão da união não se quebrou.Porque eu estaria fora dos teus pensamentos, apenas porque estou fora da tua vida?
Não estou longe,somente estou do outro lado do caminho.
Já verás, tudo está bem.
Redescobrirás o meu coração, e nele redescobrirás a ternura mais pura.
Seca as tuas lágrimas e se me amas, não chores mais."

(Sto. Agostinho)

.. já te prometi que secaria... mas não me ponhas prazos...




Sempre tua... sempre nossa! You're the top!




18.8.11

parar de amor...

Hoje foi embora.

Hoje "perdi" um Amigo. Sei que não perdi. As perdas são definitivas e vamos encontrar-nos por aí um dia.

Mas foi-se embora.

A pensar nos porquês de tudo o que invade dentro, lembrei-me que tantas vezes dizia: "Tudo o que puderes pensar que queres para seres feliz, eu tenho! Família, Amigos, Saúde, Viver no paraíso, dinheiro, viagens,... tudo!

E era! Ele foi feliz, sempre, todos os dias e em todos os momentos. E foi exemplo disso a cada segundo.

Se lhe posso agradecer alguma coisa, é isso... o exemplo da pureza, da dignidade, do altruísmo...

Amava o mundo inteiro e todas as pessoas. Todas são importantes, dizia sempre!

O coração dele parou hoje... e eu continuo a acreditar que parou por não aguentar já tanto amor...

Obrigada! Sempre! Hoje e todos os dias!!!!!

17.7.11

10

10

Dez

São 10 (dez)! Duas mãos cheias de dedos.

A Mia faz hoje dez anos.

Feliz no Porto Santo com o super-pai, dizia-me ao telefone: "gosto tanto de fazer anos que era bom se fosse todos os dias! Sabes? É como se fosse um dia em que tenho um abraço gigante!"!

Tu mereces todos os abraços, todos os beijos e todos os parabéns do mundo!

Continuas linda, amorosa, meiga e crescida. Preocupada com o mundo e a pores sempre os outros antes de ti! Que orgulho imenso no meu ser pequenino que está a ficar crescido (se bem que serás sempre o meu bebé!)!

Parabéns a si super pai babado que a fazes crescer assim!

Mil Parabéns aos dois!

16.7.11

Obrigada pelo acordar... mesmo do outro lado do mundo em que não é manhã... Obrigada! (porque o infinito... ;))

O Casamento Perfeito












Depois há os casamentos verdadeiros... Sim!

Não gosto de casamentos. Nunca gostei. Acho quase sempre que as pessoas se casam erradas, com as pessoas erradas, pelos motivos errados. É um dia chato demais para convidados. A seca das fotografias horas a fio, a imensa comida, os engraçadinhos que berram e batem nos copos... A sério! Não!

Mas depois há os casamentos perfeitos!

A Mikas casou-se! A minha Mikas casou-se... longe vão os dias dos almoços em Sta. Maria e das cigarrilhas no banco.

A minha amiga casou. Casou com J.. A melhor escolha do mundo! Lembro-me do início, do começo. Estive com os dois na véspera de começarem a namorar e gostei do casal de imediato.

O dia deles foi simples, porque eles são simples. Lindissimo pelo amor que têm e por nos terem feito parte do que são.

A capela, o local da festa... a noiva, o vestido, o noivo a atirar o bouquet, a noiva de all star para vir dançar! Os nossos abraços! A música...

Se me casasse tinha de ser assim: igualzinho a este!

E sim, há casamentos lindos que são podres dentro. E há aqueles que são feios e têm todo o amor do mundo.

Poucos são os que conseguem, como este conseguiu, juntar certezas de caminhos certos, com a simplicidade de se quererem (crerem) bem!

15.7.11

As pessoas não mudam...

Isto vem previamente a um outro post que vou escrever sobre o casamento perfeito.

Antes vamos só parar para analisar uma coisa.

Eu acredito que as pessoas mudam. Eu sou a defensora de que o ser-humano, por ser dotado de cérebro, mente e razão, muda. Muda quando percebe que os comportamentos magoam, ferem, já nem digo que seja "os outros", mas quando lhe causam a ele (ser-humano) - dor.

Depois há a teoria de que "mais depressa as galinhas têm dentes, do que muda o Homem"... não queria pensar assim. A sério que não!

Mas vá... é verdade. E o mais triste é que se arrastam pessoas num processo de auto-destruição.

Pensamos... é uma fase, é porque sim, é porque ainda não era aquilo... E chegamos à conclusão de que nunca vai ser nada. Porque agora "é que sou feliz"! Que bom. Ficamos genuinamente contentes e pensamos: "olha que bom! Afinal era só mesmo uma fase, agora sim, vai dar certo. ainda bem" (a nossa vida melhorou consideravelmente desde que essa pessoa se mantém a uma distância de segurança, até porque sugam parte da nossa vida boa. Muito para compensar um buraco na delas, que elas próprias criaram...).

Entretanto não. Pués va a ser que no... os comportamentos repetem-se (ou as tentativas de...) e é triste. É mesmo de ter pena (que sentimento horrivel). Principalmente porque novamente não vão sozinhas essas pessoas, levam outras, iludidas, crentes num "para sempre" que durará enquanto a habilidade de esconder for boa... que TRISTE! Tenho mesmo pena de um destino condenado ao fracasso pela habilidade que se tem de estragar tudo...

E pronto... espero que isto seja uma excepção e que realmente o ser-humano mude!

E agora coisas boas: O CASAMENTO PERFEITO - Post seguinte! ;)